Menu


Sobre os Sonhos

07 DEZ 2016
07 de Dezembro de 2016

Psicólogos e psicanalistas ensinam que o sonho é produto do inconsciente, manifestando-se em linguagem simbólica, podendo conter informações preciosas para o reequilíbrio da pessoa, daí a necessidade de se descobrir o seu verdadeiro sentido.

 

A Doutrina Espírita acrescenta a isso que os sonhos podem também ser produto de lembranças relacionadas com as experiências que o espírito encarnado vive em estado de emancipação parcial, isto é, fora do corpo.

 

Nas perguntas 400 a 412, Cap. VIII, 2ª Parte, O Livro dos Espíritos trata deste assunto de forma simples e esclarecedora.

 

Quando repousamos, emancipamo-nos (afastamo-nos) parcialmente do corpo físico e, nesse estado, acessamos o mundo espiritual, quando então podemos vivenciar diversas situações.

 

Nesse estado de emancipação o espírito pode:

 

ü rever situações do passado, relacionadas com encarnações anteriores;

ü vislumbrar, dependendo da sua evolução, situações futuras;

ü captar situações atuais, mas que estão ocorrendo em lugares distantes;

ü entrar em colóquio com outros espíritos, que lhe transmitem avisos;

ü visitar instâncias do mundo espiritual e do mundo físico,

ü e pode, também, ruminar problemas e conflitos que o preocupam no momento, entre muitas outras possibilidades.

 

O que é vivenciado durante a emancipação parcial não é, via de regra, relembrado integralmente quando se acorda. Isso porque o denso corpo físico impede ao espírito que a ele retorna, vibrar na mesma freqüência de quando emancipado. Tal fator obstrui as recordações das experiências em emancipação. Daí o sonho proporcionar lembranças fragmentárias e parecer, muitas vezes, coisa absurda.

 

O conhecimento da Doutrina Espírita é de grande utilidade para a compreensão de muitas das vivências oníricas.

 

Excepcionalmente, algumas pessoas podem se emancipar conscientemente, guardando, por isso mesmo, lembrança plena das percepções obtidas fora do corpo. Tal faculdade pode ser mediúnica ou anímica. No primeiro caso, depende da participação de um desencarnado na provocação do fenômeno. Já no segundo, depende só da pessoa.

 

A emancipação parcial consciente é designada por Desdobramento, Projeção da consciência, Viagem astral, ou Experiência fora do corpo, que é objeto de estudo da Parapsicologia.

 

Nos EUA sobressai, por exemplo, o paranormal, Robert A. Monroe, muito famoso por provocar em si mesmo a emancipação consciente, chamada, em inglês, Out-of-body-experience (sigla OOBE), de acordo com as informações e pesquisas contidas no seu livro Viagens Fora do Corpo, editado no Brasil pela Record.

 

Aqui no Brasil, o Dr. Waldo Vieira vem divulgando fartas informações sobre a matéria, sendo Projeções da Consciência – Diário de Experiências Fora do Corpo, publicado pelo Instituto de Projeciologia e Conscienciologia, um dos seus livros.

 

Na literatura espírita sobre o assunto podemos citar a obra Devassando o Invisível, da Médium Yvone A. Pereira, da Editora FEB. Vários outros livros espíritas fazem referências sobre o assunto, sobretudo os de fonte mediúnica.

 

Vale ressaltar que, para os espiritualistas do velho Oriente, dita área das possibilidades do espírito nunca foi novidade.


Osvaldo Ourives

Voltar

buscadaplenitude@gmail.com

Osvaldo Ourives

|

Bel. em direito, auditor aposentado,

Idealizador

professor, palestrante espírita.

Tenha você também a sua rádio