Menu


Isolamento de grupos no centro espírita

07 DEZ 2016
07 de Dezembro de 2016

O isolamento de grupos em um centro espírita de grande porte é um dos grandes desafios institucionais que precisa ser enfrentado, para que não haja ruptura do caráter associativo.


É mais fácil isolar-se em uma reunião (mediúnica, por exemplo) ou grupo, participar de atividades apenas com as pessoas deste grupo e contribuir com um valor da cota associativa, não se interessando pelas necessidades coletivas da associação, e apenas direcionando exigências para a diretoria, sob a justificativa de ser sócio regular e participar da organização há décadas.


Neste caso, sempre que as necessidades de muitos afetam a rotina dos trabalhos do grupo, este trata dos pedidos de mudança da direção como uma intervenção indevida.


Quando isto acontece, há uma inversão do pacto associativo. Os dirigentes são vistos mais como empregados ou prestadores de serviço da organização e não como lideranças, que abrem mão de seu tempo pessoal e familiar para contribuir com a associação a pedido e com voto de confiança de todos.


Neste cenário, é mais difícil mobilizar a contribuição dos associados para objetivos comuns, da associação como um todo, que demandam trabalho voluntário e envolvimento de todos. Os projetos externos a um grupo, como a construção de uma nova sede, a adoção de regimentos, o socorro a uma atividade considerada importante que está com falta de trabalhadores, a promoção de eventos para encontro dos membros da organização, sejam de caráter doutrinário ou administrativo e a participação de pessoas de diferentes grupos em atividades que não são vistas como “deles” por dirigentes e membros de grupos.


As escolhas de dirigentes e lideranças se tornam um trabalho muito difícil, porque, isolados, os valores de cada grupo não são conhecidos pela organização como um todo, faltando o vínculo da confiança e do respeito entre eles e o corpo dirigente. Os valores, quando identificados e convidados, necessitarão gastar mais energia e dedicação para superar as dificuldades criadas pelo isolamento e pelo desconhecimento das equipes novas com que trabalharão. Não raro, muitos se afastam precocemente, por motivos muitas vezes triviais, que não seriam causa deste tipo de atitude se já houvesse um relacionamento anterior.


Não há, portanto, uma relação orgânica entre o nível estratégico (a direção do centro), nível gerencial (a direção dos grupos) e trabalhadores (nível operacional). Começa a ocorrer uma estranha disputa de poder entre direção do centro e direção dos grupos, quando deveria haver um relacionamento de colaboração, principalmente porque os grupos e os associados em geral necessitam de um corpo diretor eficaz e são eles que o elegem e o conduzem a suas funções “nunca-remuneradas”.


Esta reflexão não exime os dirigentes dos centros espíritas de seus equívocos, do excesso de individualidade ou do cometimento de abusos em suas funções, mas este seria objeto de discussão de outro texto. O que observamos é a estranha inversão e competição, que possibilita o desenvolvimento de um clima organizacional na casa espírita muito bem descrito pelo espírito Irmão X, no livro Cartas e Crônicas, capítulo 29, intitulado “Bichinhos” ao qual remeto o leitor.

Jáder Sampaio

 

Fonte: http://espiritismocomentado.blogspot.com.br/2016/12/isolamento-de-grupos-no-centro-espirita.html?spref=fb

Voltar

buscadaplenitude@gmail.com

Osvaldo Ourives

|

Bel. em direito, auditor aposentado,

Idealizador

professor, palestrante espírita.

Tenha você também a sua rádio